Pelo fim da palavra PUTA – ou que ela seja destinada apenas a pessoas que realmente ganham dinheiro fazendo sexo – #30ContraTodas

39355.original-2661.jpg

Demorei pra vir aqui e me manifestar sobre esse assunto, porque não queria escrever mais do mesmo. Porque queria ver o que as pessoas iam dizer pra poder tirar alguma conclusão sobre tudo. Demorei pra fazer esse texto porque quis assimilar o que tava acontecendo e tentar acreditar que não era possível ser verdade.

A gente sabe que estupros acontecem todos os dias e o tempo todo, e infelizmente isso não nos choca. A gente sabe que mulheres são assediadas todos os dias e infelizmente isso é normal. Precisam 30 caras estuprarem uma mina pra gente começar a se assustar e pensar em discutir sobre o assunto. #bembad

Mas depois do que aconteceu e de tudo o que foi falado, uma coisa me intrigou: eu estava comentando sobre tudo isso com uma colega e ela disse que tinha ficado muito mal sobre o caso. Até aí ok. Mas logo depois, em uma outra conversa, essa mesma menina me mostrou fotos da nova amiga do namorado dela, julgando-a de todas as formas. Pela roupa, pelo comportamento, pelo jeito, pelo estilo de vida. “Acho ela meio puta.” – Ela disse.

E aí voltei ao meu estado normal de conformidade. O fato de ela vir me falar que outra garota é puta, explica muito sobre como as mulheres tratam umas às outras. Isso não explica o machismo – que deveria ter ficado junto com a internet discada do IG num passado longínquo – de maneira alguma, mas é uma das vertentes que alimenta esse problema gigante e ainda tão imaturo.

Se nós mulheres não nos apoiamos, não nos tratamos como irmãs, e nos chamamos umas às outras de PUTAS… O que vai ser de nós? O que vai ser das nossas vontades mais profundas? O que vai ser daquela sainha linda da Planet Girls que tá no precinho maneiro e combina com aquela sua blusa show, mas pode ser “mal vista” pelos olhos alheios?

tumblr_n50gfo2E6N1r9c7ido1_500.png

Sei que o machismo tá todo encalacrado na sociedade das formas mais discretas e ordinárias possíveis, mas com muita dor no coração e tristeza nos olhos, posso dizer que também sinto que nós mulheres muitas vezes alimentamos esse machismo sem nem nos dar conta. E talvez essa seja a forma em que esse machismo “escondido” apareça de forma mais cruel.

Não é a primeira vez que vejo uma garota inconscientemente diminuindo outra, na esperança de convencer a si mesma – a sociedade e claro, os homens – de que ela é de alguma forma superior. Eu mesma já fiz isso, ha muito tempo atrás, quando lia matérias sobre como conquistar os homens e não tinha a menor informação sobre sororidade.

Será que a gente precisa ser superior? Ainda mais a outras garotas, que vivem os mesmos dramas diários que a gente?

Não, não precisamos de nada disso. Mesmo.

Não somos melhores que a outra por determinado comportamento, e não precisamos nos distanciar umas das outras. Ninguém é melhor do que ninguém. Não é falando que outra mulher é “puta” pra nos sentirmos superiores, que vamos chegar a algum lugar. Na verdade isso é uma grande ilusão. Chamando outra mina assim, estamos também cultivando a cultura do machismo dentro de nosso próprio ciclo, e já sabemos no que essa cultura costuma resultar. Em violência.

Chega! É hora de discutir e de acordar. Não somos rivais, não somos putas, somos todas juntas lutando pelos nossos direitos e pela nossa segurança.

#30ContraTodas

perfil01


Gostou? Que tal dar um like lá na fanpage pra dar uma forcinha?

 

 

Anúncios

Deixe sua opinião aqui!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s