Coragem: você pode cair e tudo bem | PI#03

c2099725b72a3065c5b09528453ad97b

“Tirem os sapatos e comecem a correr em volta da sala, mas cuidado com o piso de madeira: ele foi encerado e tá um pouco escorregadio”. – Essa frase foi dita pela minha professora de teatro, lá pela terceira aula do curso que eu fiz ano passado. Era um curso voltado pra ajudar na desinibição e timidez dos alunos. Eu já tinha entrado em trabalho de pânico nas primeiras vezes que passei pela porta só pelo fato de ter que me expor pra pessoas que eu mal conhecia, imagina que agora o piso estava escorregadio e eu poderia cair tipassim: na frente de todo mundo.

Começamos a correr. Eu tava de meias. Elas estavam escorregando. Mas estava tudo sob controle.

Cada passo que eu dava era milimetricamente calculado. Todo cuidado era pouco naquele momento, eu não poderia imaginar o que aconteceria comigo se eu levasse um tombo na frente de toda aquela galera. Todo mundo ia rir, e eu não ia agüentar a barra. Voltaria pra casa chorando e repassando 50x a cena traumática na minha cabeça. Ops, dei uma ratiada. QUASE fui. Quero ir embora. Um cara também quase caiu. Respirei e voltei a me concentrar. Até agora, todos correndo, todos se observando, ainda nenhum tombo documentado.

Então comecei a me soltar. Minhas pernas já tinham estudado todo o percurso e a essas alturas já me guiavam sozinhas. Comecei a confiar mais nelas e mais em mim mesma. The world is mine. Mas uma das minhas pernas, de repente foi pra trás, assim, sem pedir a menor permissão, fazendo com que todo equilíbrio físico e mental que eu tinha acabado de conquistar se dissolvesse bem na minha frente. Me trouxe uma grande massa de madeira marrom e embaçada diante dos meus olhos, sem que eu escolhesse seguir naquela direção. Alguns tombos te permitem fazer toda uma reflexão durante o acontecimento: você tem tempo o suficiente pra perceber que está caindo mas não o suficiente pra fazer qualquer movimento, qualquer unzinho que impeça a queda. Você se conforma que aquilo não vai ter volta, você simplesmente entrega o seu corpo a força da gravidade já maquinando o encarar das conseqüências.

Eu caí de cara – veja bem, DE CARA – no chão.

tumblr_lls14bJ7Ve1qbzg56o1_500

O constrangimento era palpável – e bastante dolorido. Fiquei ali por 5 segundos que na minha mente se transformaram em 5 horas, olhos fechados, mãos no rosto, sem saber o que eu ia encontrar quando levantasse. As pessoas estariam rindo de mim? Estariam preocupadas? Estariam me julgando? Me avaliando? Me analisando? – Por um momento eu queria um anel de Sauron que apenas me tirasse daquela situação. Quando uma voz interior me avisou que isso não tinha a menor condição de acontecer, respirei fundo e me levantei.

A única coisa que vi foi a sala exatamente como deixei antes de cair: todo mundo continuava correndo. Umas duas ou três pessoas vieram perguntar se eu tinha me machucado, outras duas tentaram esconder um riso mas logo vieram me ajudar a levantar também, e todo o resto da sala… Sequer tinha percebido que eu caí. E se perceberam, estavam muito mais preocupados com o próprio medo de cair do que com o tombo alheio.

Então eu levantei – gargalhando. Pelo tombo que foi ridículo, pelo medo de cair que foi ridículo, por nós que somos todos tão ridículos. Cheios de medos, frescuras, pudores com coisas que acontecem porque somos humanos e mundanos. Todos estamos sujeitos as quedas da vida nos vários aspectos que a palavra permite, mas o que nos torna vencedores ou não é a maneira como lidamos com elas. O tombo me fez seguir muito mais confiante naquela aula. Me mostrou que mais ridículo que ele é o medo de tombar, o medo de errar principalmente diante dos outros. Quantas vezes acabamos nos preocupando mais com o que os outros vão pensar de nós com o que realmente estamos fazendo? Temos o costume de crescer achando que nós mesmos somos o centro do universo, mas não é bem assim e (in)felizmente cada um costuma cuidar da sua própria vida.

O tombo me mostrou a minha pequenez diante do mundo, me botou no meu lugar e me confortou: nada de pior poderia acontecer dentro daquela sala!

Esse é o texto PI#03, que faz parte de uma antologia de textos sobre comportamentos “politicamente incorretos”. Leia os outros!

perfil01


Curtiu? Entre pro nosso grupinho! <3

Anúncios

Deixe sua opinião aqui!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s